BRASIL TEM CULTURA DE EXAGERO NO USO DE MEDICAMENTOS

BRASIL TEM CULTURA DE EXAGERO NO USO DE MEDICAMENTOS

Ingestão indevida de remédios é a principal causa de intoxicação por agentes tóxicos no Brasil e 28,6% dos casos ocorridos com crianças são acidentais 

Envenenamentos em crianças por produtos de limpeza e de higiene pessoal ou intoxicações medicamentosas em adultos são mais comuns do que se imagina. Em pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde mostram que foram registrados 107.958 casos de intoxicação humana em 30 dos 37 Centros de Informação e Assistência Toxicológica em atividade no país, com um total de 488 óbitos.

Os  medicamentos lideraram a lista de principais agentes tóxicos que causaram intoxicações em seres humanos com 30,5% das ocorrências. Em seguida, vem a intoxicação por animais peçonhentos, sobretudo escorpiões (19,9%) e produtos sanitários de uso doméstico (11 %).

Uma das conclusões dessa pesquisa é que há uma cultura de exagero no consumo e uso de medicamentos, o que traz sérias consequências, como o acúmulo e o armazenamento excessivo e desnecessário de medicamentos em casa. "Acredito que todos podem fazer uma reflexão diante disso: 28,6% das intoxicações por medicamentos ocorridas com crianças são acidentais e, portanto, poderiam ser evitadas", observa.

Os benzodiazepínicos (calmantes), antigripais, antidepressivos e anti-inflamatórios são as classes de medicamentos que mais causam intoxicações. O mais alarmante é que as vítimas são, em sua maioria, crianças menores de cinco anos (24,1%), seguidas dos adultos de 20 a 29 anos (18,9%) e dos adultos entre 30 e 39 (13,6%).

O número de ingestão indevida de medicamentos e drogas de abuso por adultos deve-se, em sua maioria, às tentativas de suicídio. Do total de 23.089 casos de intoxicação atribuídos às tentativas de suicídio, 14.263 (61,8%) estão relacionados aos medicamentos, 2.642 (11,4%) aos raticidas e 2.515 aos agrotóxicos de uso agrícola (10,9%).

Em relação à letalidade, os agrotóxicos de uso agrícola (3,03%) lideram as causas de morte, seguido de raticidas (1 ,28%), drogas de abuso (substâncias que modificam, aumentam, inibem ou reforçam as funções do organismo 0,95%) e produtos veterinários (0,6%).

 
DICAS PARA EVITAR ENVENENAMENTOS
 

  • Mantenha sempre medicamentos e produtos tóxicos fora do alcance das crianças;
  • Não utilize medicamentos sem orientação de um médico e leia a bula antes de consumi-lo;
  • Não armazene restos de medicamentos e tenha atenção ao seu prazo de validade;
  • Evite tomar remédio na frente de crianças;
  • Não dê remédio no escuro para que não haja trocas perigosas;
  • Mantenha os medicamentos nas embalagens originais;
  • Cuidado com remédios de uso infantil e de adultos com embalagens muito parecidas; erros de identificação podem causar intoxicações graves e, às vezes, fatais;
  • Pílulas coloridas, embalagens e garrafas bonitas, brilhantes e atraentes, odor e sabor adocicados despertam a atenção e a curiosidade natural das crianças; não estimule essa curiosidade; mantenha medicamentos e produtos domésticos trancados e fora do alcance dos pequenos. 

A Anvisa presta informações de urgência pelo Disque Intoxicação (0800-722-6001), que funciona para todo o território nacional e fica 24h no ar. A ligação é gratuita e o usuário é atendido por uma das 37 unidades da Rede Nacional de Centros de Informação e Assistência Toxicológica (Renaciat). http://portal.anvisa.gov.br/disqueintoxicacao

 

FONTE: Revista O Esteto da AMNI